Total de visualizações de página

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

FUTUROS ENGENHEIROS NAVAIS DE BAÍA DO SOL



Engenheiros Navais
  Sempre falo em gratas supresas proporcionadas por Deus, e neste final se semana não foi diferente. Estava a caminho da pescaria de siri, lá na pedra da praça, e de repente estava ali, bem na minha frente a minha infância, traduzida nas peripécias daqueles garotos queimados de sol, como já fui um dia. Meus filhos acharam estranho meu interesse por aquele grupo, mas, depois entenderam. Aqueles meninos são o retrato da felicidade do realizar. Aquele refugo de casco, segundo eles encontrado em mar aberto e doado por um dos tios, sob as mãos ávidas daqueles garotos transformaria-se rapidamente em um esquife de luxo na imaginação deles e singrariam os mares da fantasia ...



Engenheiros Navais
 

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

BAÍA DO SOL - HISTÓRIA by Claudionor Wanzeller

BAÍA DO SOL


FONTE: MOSQUEIRANDOBLOGSPOT

A Baia-do-Sol é a povoação mais antiga da ilha do Mosqueiro, uma vez que ali chegaram os primeiros colonizadores portugueses vindos de São Luís do Maranhão. Banhada pela baia do mesmo nome, localiza-se ao norte, em frente a Colares, a antiga ilha do Sol, onde viviam aldeados os tupinambaranas. Habitada no longínquo passado pelos morobiras, também exímios pescadores da mesma nação, possui praias largas, favoráveis aos ventos e às correntezas das enchentes, as quais eram utilizadas pelos índios, no retorno da pescaria, como local apropriado ao processo de conservação do pescado, no preparo do moqueio, que consiste em assar o peixe no moquém (grelha de madeira fresca), ao calor brando da fogueira. Essa atividade indígena, também desenvolvida nas praias do sudoeste banhadas pela baia de Santo Antônio, fixou a denominação de ilha do Moqueio (atualmente Mosqueiro), substituindo o registro cartográfico de ilha de Santo Antônio existente em 1.666, no mapa de João Teixeira Albernaz.

Fazendinha - by Hernandes Havishe
Baia-do-Sol: povoação mais antiga da ilha do Mosqueiro, localizada ao norte.

Praia Grande: uma das praias do moqueio, técnica indígena de conservação do pescado

Nessa região denominada Província dos Tupinambás, viviam os índios há 12.000 anos, até que foram impiedosamente dizimados pelos conquistadores europeus como os capitães Jerônimo Fragoso e Bento Maciel Parente, embora a construção e o progresso de Belém, em mais de dois séculos, tenham dependido da imprescindível participação nativa, tanto nas edificações quanto no abastecimento da cidade com o comércio de suas colheitas, frutas, drogas-do-sertão, mandioca, farinhas, a caça e o peixe tão abundante nas águas do rio-mar.

O nome da povoação, hoje um bairro do Distrito do Mosqueiro, reafirma a denominação da baia formada pelo rio Pará, tão sugestiva a ponto de dizer-se que o Sol nasce e morre ali, na visão de quem observa à sua frente, sobre as águas, a trajetória eterna do astro-rei, desde o seu berço na ilha do Sol até seus derradeiros raios para as bandas do Paraíso. Fascinados, os índios cultuavam o deus Sol, presença constante a iluminar sua faina diária, proporcionando-lhes o peixe, a caça e os frutos da terra.



Primeiro aventureiro europeu a descortinar tão paradisíaco cenário, o espanhol Vicente Yánes Pinzón ali aportou em janeiro de 1.500 e, na praia, onde pôde deleitar-se com o clima tropical atenuado pelo vento norte, observou maravilhado a imensidão de águas doces e esbranquiçadas pelos sedimentos a que chamou “mar dulce’, em sua perene e titânica luta contra o avanço do oceano sobre as terras verdejantes. Estava ele na costa oriental do rio Pará, braço sul do Amazonas.



Vista aberta para o “mar dulce” de Vicente Pinzón.



Local onde se tem uma visão panorâmica da baia do Sol.

Outro explorador espanhol, Francisco de Orellana, de volta ao delta amazônico em 1.545, fundeara, com certeza, sua nau na baia do Sol, entre as ilhas de Colares e do Mosqueiro. É provável ter desembarcado na praia mosqueirense, já que existe relato de sua surpresa ao constatar a abundância de peixes e frutas.

Local entre as ilhas de Colares e do Mosqueiro onde Francisco de Orellana fundeara sua nau.

É provável que Francisco de Orellana tenha desembarcado às proximidades da Fazendinha

Até o fundador da cidade de Santa Maria de Belém do Grão Pará, Francisco Caldeira Castelo Branco, ao deparar-se, em 1.616, com a orla praiana da enseada que se abre para a baia do Sol, pensara ali instalar o primeiro núcleo de colonização portuguesa, não o fazendo pela dificuldade de desembarque das naus causada pelas enormes maresias da tarde, tão comuns naquela costa da ilha.

As terras da Baia-do-Sol foram doadas como sesmarias ao Padre Antônio Nunes da Silva, em 6 de dezembro de 1.746. Seus herdeiros, utilizando a mão-de-obra de escravos africanos, libertados somente no dia 6 de abril de 1.888, construíram e fizeram florescer sítios agrícolas tão importantes que tornaram a família Silva a mais tradicional daquela parte da ilha.

Como herança, o sítio “Paraiso,” antes denominado “Santana”, coube a Fernando Silva e, depois, à família Travassos, pelo casamento de sua filha Ana Silva com o português José Travassos. O sítio “Paissandu” foi herdado por Jorge Silva, propriedade que passaria à família Pamplona pelo casamento do dono com Adelina Pamplona. As terras em frente à ilha das Pombas, chamadas, naquela época, de Paraguai—talvez uma referência à participação paraense naquela guerra—foram requeridas por Leocádio José da Silva, que, motivado por sua grande devoção à Virgem Imaculada, mudou o nome do Sítio para Conceição. A Casa Grande foi erguida em 1.864 e, anexa a ela, Leocádio Silva mandou construir uma Capela para a Santa, cuja licença foi concedida pelo Bispado de Belém e cuja bênção foi dada pelo Padre Castilho, Vigário de Benevides, no dia 10 de janeiro de 1.855.

Partidário ferrenho de Lauro Sodré, Leocádio Silva foi o chefe político da mais alta expressão na Baia-do-Sol, na segunda metade do século XIX. Casado com Maria do Carmo Silva gerou sete filhos, os quais mantiveram a propriedade na família: Leocádio da Silva Júnior, Izabel da Silva, Florêncio José da Silva, Mariana Augusta da Silva, Rita do Espírito Santo Silva, Antônia Paes e Silva (que, formada na Escola Normal, foi professora no primeiro Grupo Escolar do Mosqueiro) e Gabriel Arcanjo da Silva.

No extremo oriental da ilha, Tomaz Silva instalou-se nas terras que ficaram conhecidas como Fazendinha da Baia-do-Sol. Seu filho Rufino Antônio da Silva, cuja prole era numerosa, iniciou a povoação do lugar e foram seus herdeiros, Raimundo Nonato da Silva, Jorge Florêncio da Silva, Etelvina Camila da Silva e Maria Veneranda Trindade que, no dia 20 de setembro de 1.958, doaram à Irmandade de São Sebastião o terreno para a construção da nova Capela do Santo Padroeiro da localidade, substituindo a antiga erigida pela família e preservando a tradição religiosa que ali se instalara desde os primeiros tempos da ocupação. Aliás, as tradições católicas, entre as quais citamos a Festividade do Divino Espírito Santo na praia do Bacuri, chegaram com os jesuítas da Missão Myribira, responsável pela catequização dos indígenas da ilha do Mosqueiro.

Capela de São Sebastião, na Fazendinha, em terreno doado pela família Silva no ano de 1.958.




Capela do Divino Espírito Santo, na praia do Bacuri.

Antes da rodovia e da ponte ligando o Mosqueiro ao continente, a Baia-do-Sol ficava isolada do restante da ilha, levando sua vida própria e independente da Vila, situada no extremo sul, e seu desenvolvimento restringia-se, sobretudo, às atividades sócio-econômicas e políticas promovidas pelo clã com características feudais que ali se fixara desde os meados do século XIX, o que concorreu, de certa forma, para a preservação dos recursos naturais de grandes áreas daquela região.

Claudionor dos Santos Wanzeller

quarta-feira, 14 de julho de 2010

VERBORRAGIA

"Há vezes em que tudo o que precisa ser feito é nada".

As palavras tem um poder mágico e assustador. Elas podem salvar vidas, curar as feridas da alma. Podem ganhar ou perder um coração. O simples jogo pode transformar uma noite ou botar tudo a perder. Podemos usá-las até a exaustão, se é que alguém consegue chegar a esse ponto.
Quem domina a palavra, depois da primeira frase, primeira letra, primeira oportunidade da verborragia, entra em algo como se fosse em transe, embevecido talvez. Acontece comigo, pode acontecer com você. Beba das letras, deguste as palavras, areje suas idéias, leia bastante, pense e fale com propriedade, não gaste seus neurônios à toa, fale quando necessário, ouça mais e fale menos, de acordo com a situação. Há momento para tudo, só precisa aprender a ter controle. Poderíamos ficar aqui horas a fio discorendo sobre este assunto. Mas, quem sabe outra hora retornamos a ele ... fiquem com novos registros de Baía do Sol.


Praia do Bacuri

 
Tubo - Prainha - Baía do Sol


Praia Grande da Baía do Sol

Baía do Sol, um amor de verão.

Prainha - Baía do Sol - Mosqueiro

Descida para a Praia Grande - Baía do Sol



SOL DE VERÃO EM BAÍA DO SOL

O Grande Astro generoso que é sempre presente a aquecer a sua filha mais querida ... a nossa Baía do Sol. É verão, bom sinal, já é tempo de sorrir e sonhar ... Nessa foto vemos o amigo "Gilkinha" fazendo sua parte, plantando mais um coqueiro, recompondo a paisagem para nós e para as gerações futuras. Siga o exemplo, quando você for à Baía, leve uma planta e mãos à obra.